quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Inscrevi saliva e suor
Além da sua pele molhada
Como metáfora da morte
Logo mais quando o gozo acaba

Instalei no ventre
Essa conotação de vida
E como berço forjei idas e vindas
Em longa cavalgada

Invadi seu corpo com fome
Com boca de lábios quartetos
Mordisquei o alvo
Sem travar os dentes.

Karinne Santiago



Ruslan Lobanov

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Dionísio

Derreto-lhe, é o pretexto da língua
Para o dito que é feitio
Assim avolumam-se

Escorrego-me, é o corpo que vacila
Entre idas e vindas
Círculos a conta-gotas

Provo-te, é o do sentido do sumo
Aguardo a vindima, inteiro e roliço
Depois lhe engulo como sommelier.

Karinne Santiago.

Danny Gibert