terça-feira, 17 de março de 2015

Estudo sobre Distâncias



David Galstyan



I

Descanso seu nome
em meus lábios

assim, beijo-o.


II

Enlaço meu decote
aos botões da sua ausência

assim, abrigo-me.


III

Deste corpo, pouso
Deste abraço, ninho.


Karinne Santiago.

2 comentários:

  1. Excelente poema para dialogar
    DESSE CORPO, DESSE ABRAÇO, DESSE NINHO

    É em meus lábios que descanso o seu nome
    que em beijos a carícias me consome
    e me leva a abrigar no seu decote
    que me aperta nos botões da sua ausência
    numa saudade que se reveste de inclemência
    e me abraça com a força de um garrote
    Desse abraço faço e refaço o meu ninho
    no qual com ternura eu me aninho
    e meu corpo repouso com ternura
    e de seu corpo, desse abraço, desse ninho
    recebo para meu bem tanto carinho
    que o dia-a-dia é para mim doce aventura

    Joaquim Vale Cruz - 2015 – 04 -04


    ResponderExcluir
  2. Palavras simples só na aparência, versos singelos, sentimentos fortes como o aço e delicados como a flor de dente-de-leão! Uma intensa sublimação de sentimentos que encontra nas palavras uma das vias para a sua substância, para o seu objecto, para a vivência plena de um amor desejado e partilhado.

    Jorge Vargas

    ResponderExcluir

Vamos poeticar?!