quinta-feira, 24 de abril de 2014

Christian Schloé

todo ele é clarão
arde-me

o pulso converge
em desvio

e as linhas findam
na palma
o desabrigo

todo ele é clarão
conclama

dos lábios
a doçura ameaçada
entre os vincos

desaloja um por um
o desgosto
roto e represado

todo ele é clarão
arde-me

de repente
rente
finca no abraço

o mesmo calor
de outrora
urgente

Karinne Santiago

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos poeticar?!