domingo, 5 de janeiro de 2014

nunca dantes navegada VII

Jill Saitta

todo corpo é uma represa
de águas bravias e tormentas

são maremotos, estes impulsos
enquanto o sal enferruja as extremidades

lentamente corrói em ocre
amarelo e o vermelho do escárnio

das lágrimas, arrebentação
sou a imensidão em explosão

me lanço ao infinito
em partículas aos milhares

daí me liberto como várias
desde a estrela do mar
até o brilho translúcido da sede.

Karinne Santiago.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos poeticar?!