sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Saudade se escreve com V




Para Vinícius Santiago

todas as manhãs
balbucio preces

era uma vez eu (...)
os sonhos que esqueci (...)

por trás da janela
ruídos dos pneus
alguns pássaros

o verde que não mancha
certa esperança

minhas letras mortas
agasalhadas no nada

dormi com frio
garganta dói
tudo vazio

abrigo sem vínculos
um copo seco
tal qual corpo

arrumei brinquedos
na cabeceira
diminui distâncias
(tentei)

respirei seu riso
me povoei dos seus cachos
e me desculpei

Karinne Santiago.


Foto: Aquivo Pessoal

4 comentários:

Vamos poeticar?!