terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Para Edilberto Djuba Pires




malabares na linha do trem
pés no trilho feito vagão
dança o menino na linha

és o destino na curvatura
do ferro, da fumaça ou pipa

desconhece o atalho
apenas sonha passarinho

e assovia um canto miúdo
meio verso da rima
gargalha confuso

anedota do sol
cobre os olhos da fresta
trinca o cílio e o lábio
segue franzino no caminho

quando tomba esfrega a mão
tira as pedrinhas da palma
aos sopros e gagueja desconjuros

segue em peraltices
na bravura de moleque
até que some de vista
perseguindo vaga-lumes

Karinne Santiago.

Foto: Web

4 comentários:

  1. Amei, imagino a emoção do Djuba em receber um poema encantado dessa forma!!!

    Lindo,bem ele espalhando poesias por onde passa!!!

    Beijos!!!

    Adri

    ResponderExcluir
  2. Adri, ele é tão carinhoso com a poesia e com a nossa...adorei fazer!!!

    ResponderExcluir
  3. UM DOS MELHORES PRESENTES QUE JÁ RECEBI,COM TODA A CERTEZA!!!
    Bjos e muito,muito Obrigado

    ResponderExcluir
  4. Edilberto,

    Sabe do carinho, não?! Foi especial para mim também.

    Beijos!!!

    ResponderExcluir

Vamos poeticar?!