quarta-feira, 18 de julho de 2012

Dias Frios



Anoitece chuva em meus canteiros
Enterneço de saudade na poltrona
Com o livro dos seus sorrisos no colo
Olhos fechados leem sobre o passado
E o coração enxerga todas as juras
As estrelas descarregam seus brilhos
Que escorrem em meus olhos
Rasos rastros do amor 

Karinne Santiago

Ares de Riso



domingo, 15 de julho de 2012

Pensando sobre despedidas (ouvindo Julieta Venegas)


Civilizadamente mudos

É o resumo da intimidada na despedida

A educação em nada dizer só é menos violenta que encarar a ausência

A cama desfeita só de um lado e todo o resto desconfortável

E o tempo fica lento numa dança sem par

Descobrir-se singular num coletivo de lágrimas

A solidão nos aponta o que restou com dor

O coração ainda quente é orgulho. Como todo corte, de início, arde, mas irá doer depois.

Karinne Santiago