segunda-feira, 9 de julho de 2012

Qual nome?!


Tenho a solidão do linho amarrotado
Daquela agenda do ano esquecido
Jazigo das páginas arrancadas
O vazio do borrão das linhas
O tempo infindo do pêndulo

Tenho o riso da boca seca
Mucosa que prende ao vento
Arranha o esmalte amarelado
O café requentado preenche
O esquecimento do nome

-Qual nome?

Ando torto sinto a pedra
Faço barulho esquisito
Pinto o cimento
Laço o solo
Num traço

Cruzo a rua deserta
Semelhante a minha sala
Sozinha
Suja
Fria

A solidão me faz companhia...


Karinne Santiago





"ENSAIO"

* Ensaios... apenas uma inspiração nova...beijos!





Daquela noite lembro-me dos pequenos detalhes,
tais quais as estrelas que lançam seus brilhos parecendo despretensiosos.

Nossos risos e nossos passos no asfalto molhado eram nossa trilha sonora.

Por vezes, nossos braços se tocavam.
Um breve encontro e era o bastante para sobrecarregar meu coração de desejo. Estremecia...

Solvia sua voz. E dentro de mim, ela me preenchia. Tinto hálito doce.

Não me recordo se éramos os únicos passantes.
Não sei por quantas horas desejei que me tomasse em seus braços.
Pensamento constante. Uma oração sem santo.

Quando silenciávamos era ainda mais difícil respirar.

Brincava com meu anel. Girava-o. Arrastava-o até metade do dedo e voltava a encaixá-lo. 
Olhava o vermelho em minhas unhas. E pelo calor em meu rosto imaginava ser o tom da minha pele.

Nosso jogo de seduzir por trocas de bilhetes, frente a frente, travessura de criança. Ousadia perdida.

A brisa desalinhava meu coque deixando uma mecha pela nuca.
Tocava-me de leve como os dedos de algum cupido traquino ou aprendiz. Reforçava o arrepio.

Paramos numa esquina. Cardeais.
Rimos ainda mais. Parecíamos esperar nossa vez de continuar...


Karinne Santiago




domingo, 8 de julho de 2012

Único Desejo



Singular o traço castanho do desejo Dos cílios rentes que me despem  Do olhar que me respira e ri Instigando ares de baile Ofegantes lábios de anis  

 Destila seus aromas em minha boca Morde minha espera por pecado Adornos de saliva no batom Enche libido de frescor /Álibi amante de cais 


Como fruta doce se farta e lambe-se Ponta da língua anseia pela busca Entre sussurros e confissões Gemidos inscritos na pele Suores despedidas de sais Karinne Santiago