sábado, 3 de março de 2012

Trança





Tramo castanhas metades entre meus dedos
Três caminhos dispostos como destino
Pequeno amarelo reluz o sol retido nos fios
Brilhantes curvas de frouxos nós insinuantes
Displicentes caem na tez de pele alva em poesia
Bailam gingados de brisa ao gosto da rima
Filetes que roubam ao canto da boca
Certos aromas e o carmim desenhado
Detalhes contornos além da saliva
Quase umedecidos levados a dedo
Ao canto como frágil adorno
Completa moldura da face menina
No dorso solto assemelha-se longa fita
Orquestra olhares e suaves arrepios

Karinne Santiago

Carinho de amigo
Doce compartilhamento



 A trança dos teus cabelos

É toda feita em novelos
Que apetece desmanchar
E se foi feita com teus dedos
Eu penso nos teus segredos
Que queria desvendar

Ela é feita em três caminhos
Sempre com muitos carinhos
Pois teu cabelo é castanho
E se com a luz do Sol reluz
Eu tantos beijos lhe pus
Já que ao vê-los, me não contenho

As curvas em que o apanhas
Têm belezas tamanhas
E são tão insinuantes
Todas elas poesia
Douram tua pela macia
Tornando-se mais brilhantes

E quando a brisa os provoca
Gingam numa forma louca
Provocando a emoção
E roubam à tua boca
Aromas, carmim que toca
Cá dentro no coração

E essa emoção é tão viva
Que os contornos de saliva
Só me despertam desejos
E a moldura feminina
Com teus traços de menina
Parece pedir mais beijos

E ao ver essa trança linda
Caída com graça infinda
Sobre as curvas do teu dorso
Sinto arrepios em mim
Suaves de um jeito assim
Que te dou beijos sem esforço….

Joaquim Vale Cruz
2012-03-04

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Lúdicos Lilases




Quando a prata da lua amanheceu lilases tons
Rastros de estrelas coloriram meu olhar
Nos cílios ficaram suspensos sonhos
Tomei-me de espanto num quase grito
Procurei entre lembranças algum resquício
Mas contive o pranto achei bonito

Pisquei os olhos para investigar o destino
E fragmentos de nossas juras escapuliram
Face abaixo até cruzarem com meus lábios
Espalharam em meu sorriso todos seus sabores
Fazendo cócegas rosas e macias
E de repente minha alma em fantasia
Foi tomada por delicada alegria

Com lábios semi-abertos suspirei saudades
E novamente me enchi de vontades
E seu cheiro inebriou lúdico meus ares
Fez-se tão real imagem na paisagem vazia
Bailando como mãos invisíveis diante de mim
Em toques envolventes, aconchegantes perfumes e alvo jasmim
Que deste breve momento me revesti de sins

Karinne Santiago

* Bem, ter amigos poetas é um presente divino. E novamente a sorte e a vida me sorriram generosos, possibilitando momentos deliciosos de companheirismo. Seguem, dois poemas baseados no Lúdicos Lilases que com carinho guardo aqui. Abraços fartos e emocionados aos poetas, Wilson Caritta e Joaquim Vale Cruz...MUITO OBRIGADA!!



Cílios suspensos


Olhos investigadores piscam


Juras escapam 


Pelo olhar 


Um quase grito


Pela boca


 O sorriso de todos os teus sabores... 




Wilson Caritta

(28/02/2012)






Quando os tons da lua em ti amanheceram

Em brilhos de prata e estrelas colorindo

Pareciam lúdicos lilases, que me embeveceram

Tal qual teus olhos, quando estás sorrindo



Foi quando teus cílios, suspenderam sonhos

E um grito de espanto tua boca soltou

Lembrando resquícios…momentos risonhos

E o pranto contido, por aí se ficou



Investigando o destino, teu piscar de olhos

Fez de nossas juras, escapulir fragmentos

E as lágrimas que magoam tal qual os abrolhos

Escorrem pela face, jorrando tormentos



Eis senão quando, ao cruzarem teus lábios

Voltaram em sorrisos esse teus sabores

Que em cócegas rosas e carinhos sábios

Encheram a alma do encanto de amores

E ao surgir da alma essa fantasia

Teus lábios abertos cheios de saudades

Logo se encheram de doce alegria

E nos beijos mais doces contaram verdades



E porque teu cheiro, denunciou desejos

Inebriando tudo quanto ali havia

O encanto voltou nos mais doces beijos

Encheu-se de luz a paisagem vazia



Aconchegantes perfumes, toques envolventes

Fizeram bailar tuas mãos sobre mim

E foi então que nos entrementes

Na doçura de um beijo, me disseste que sim…

Joaquim Vale Cruz 

(28/ 02/2012)

domingo, 26 de fevereiro de 2012

DOR




Adormece pranto
Deixe que hoje seja feliz
Estes olhos de solidão
Abandona-me
Dor
Que dilacera como navalha
Retalha a lembrança consternada
Pavor
Da tristeza que me sobe a face
Em disparate
O adeus
Fez do corpo
Túmulo resguardado
Do amor que lhe dei

Karinne Santiago




Reflexos dos meus dias





Vazio
Imperativo silêncio
Debruça-se em meu peito
Adormecendo sentimentos
Caio
Como corte na alma
Gélida sensação
Abandono
Vagas sombras
De lembranças
Torna a vida
Novamente

Vazia

Novamente
Torna a vida
De lembranças
Vagas sombras
Abandono
Gélida sensação
Como corte na alma
Caio
Adormecendo sentimentos
Debruça-se em meu peito
Imperativo silêncio
Vazio


Karinne Santiago