terça-feira, 10 de janeiro de 2012

FARTA!




Sou a dúvida do seu olhar
A quem condena sua ira em suposições obscuras
Os lábios ardentes
Em vermelho desfeito a incomodar

Olhos manchados por lágrimas retidas
A esconder o amor na contramão
Sou quem seduz sua inocência
O blefe de sua fantasia em plena retina

A felina injúria deste seu penar
Gingado da serpente a instigar seu paladar
A maldição do seu ninho
O escárnio do seu caminho

A carne rasgada em leviandades
A culpa inebriante de suas frustrações
A mentira cínica
A cegueira da vigília

A arma jogada na mesa
O ridículo, o bizarro, o suicídio
Indecisão do preconceito
A covardia do pulso
O insulto

Figura inexistente a lhe servir
Na penumbra amarelada
A versão ironizada
A mentira organizada

A letra pequena
O troco do cigarro
O corpo ferido do tempo
A palavra maldita e tensa


Desastre indecente a ludibriar
O peso desfalecido dos seus erros
Asco do delírio
O riso

Da figura narcísica
O improvável convite
Sou o temor e tremor
De certo, o seu horror

Karinne Santiago





segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Olhos de Poesia





Já conhecia seus olhos
 E mesmo tristes
 Achava-os belo

 Marca de nascença
 Anjo perdido
Canto mudo
 Óbvio cínico
 Impronunciável

Olhos de rima
 Brilho fosco
Lírico

Sina dos poetas
 Todos
Olhos mágicos
Lindos olhos
Mágicos e tristes

Karinne Santiago