sábado, 3 de novembro de 2012




meu deserto sem margem 
oscila escaldante silêncio
como a alma do tuaregue
ausente de sombra e elo
em derradeiro passo na areia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos poeticar?!