sexta-feira, 16 de novembro de 2012











       

a língua com suas desculpas lascivas
desapropria a consciência e a lógica
emerge fortuita entre rimas e sinas
convincente impera instintos ou taras
para todos os seus desejos e sabores
vestes e rasgos de rendas e carnes


Karinne Santiago


4 comentários:

  1. A lingua, insana,
    desvenda sabores
    inventa sensações
    molha desejos
    excita paixões
    Ah!... lingua bendita
    quando estás em mim
    a alma grita!...

    ResponderExcluir
  2. a língua nunca míngua a imaginação,


    beijo neguinha

    ResponderExcluir
  3. a língua prova com prazer a imaginação.

    beijos, neguinho

    ResponderExcluir

Vamos poeticar?!