quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Se fosse um pássaro...

Se fosse um pássaro...


e seus lábios essa imensidão
agrupamentos astrais 
azul ao toque de Deus
uma arena de nuvens
lançar-me-ia em queda 
profano a beijar-te o tempo e o ar

Se fosse um pássaro...

afundaria minha face em bico riste
cortando latitudes em súbita planície
far-me-ia infinito num gozo de asas
perdida entre seus braços em semi-círculo
nas copas resplandeceria como faísca
do ex-amor inatingível sendo fundindo em lenda

Se fosse um pássaro...

assustaria a calma do fruto aos solavancos
provocando euforia das sombras
vislumbraria os aromas em credos
aturdindo os ninhos e orquídeas
açoitando as pragas dos jardins
nas vésperas das nascentes e enamoramento da lua

Se fosse um pássaro...

escandalizaria as gaiolas em berros libertos
rompendo argolas varrendo a ferrugem
lapidando as demandas do peito
tomaria o sonho como liberdade justa
em piruetas vadias brindaria a molecagem do riso
amanhecida em tons variantes do hoje e o passado de fuga

Se fosse um pássaro este passante...


Karinne Santiago


Foto: Photographer unknown