terça-feira, 23 de outubro de 2012

Sofro de Banzo

Para Adroaldo Bauer Corrêa
e Giselle Serejo


 Banzo Saudades, falta.Originada com os escravos que ficavam com "banzo". Eles geralmente usavam esta palavra quando sentiam saudades ou falta muito dolorosa de seu lugar de origem ou de uma pessoa em especial, muitos morriam de banzo, ou melhor, durante o período do banzo.









Caetano quando te ponho em minha língua
 solvo-te em metáfora descarada
escancarada verve de bardo
desavergonhada sintaxe
e tropeço na avenida São João
pensando em Dona Canô no recôncavo baiano

eu sou neguinha, salve Castro!!
eu sou muzenza!!

de tigresa à desastrada com os astros
extraordinária felina de cara pro sol
eu danço odara nos guetos de London
desde a baixa do sapateiro e Terezas não santas
ai, Amado!!

desejo em fitinha do Bonfim
uma menina com um anel de estrela
anuncia Manhattan em pronúncia nordestina
brinco com a lua de Jorge

enfeito a trança com búzios e conchas
eu sou nagô
e nem Orfeu em Santo Amaro
híbrida!
eu sou do mar que me lambe
uma Moçambique, um Haiti
dona do seu carnaval...
e vou com a boca filosofando saudade

Karinne Santiago







Um comentário:

  1. Penitencio-me pisar assim em teus devaneios distraído, sem me aperceber, ao ter lido, que recebera de ti tal presente lindo. Grato, poeta amiga. Fico, mesmo ainda tarde, ante que nunca, bastante agradecido.

    ResponderExcluir

Vamos poeticar?!