terça-feira, 11 de setembro de 2012



eram olhos de salivar poesia
e boca de tatear versos
cancioneiro ambulante de ilusões
mambembe arredio entre sonhos

burlava a valsa com seu fraque
anunciando andarilho aplauso
berrando versos de amor
fortuito amante sem clichês

enriquecia o bolso de suspiros
na cartola fácil buquê de plástico
barata colônia de reembolso
sabia dar-se ao elogio
conta específica de galanteio

entre juras citava os nomes
donzelas que se enamoravam
não como lista de papel amassado
mas como coração volátil

Karinne Santiago

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos poeticar?!