domingo, 9 de setembro de 2012

SÉRIE: A PALAVRA QUE ME CONSOME


IV


a poesia:

a dor
inflamo
alastro
alardo
dilacero
em adjetivos
e sujeitos
condenso
peso
como piano
que afoga
suas notas
em silencioso
extravio



o poeta:


nasci fosco
oco
inquieto
vago
desertos
profusão
de vozes
entontecem
povoado
de abandonos
por vezes
acalento
num voo torto
absorto
trama de fuga
debruço
entre tintas
atiçando
o mote
morte




a poesia:



acordo 
muda
imprecisa
amparada
por vírgulas
em alvuras
escorrego
gemido
nua
cada 
palavra
e
palavra

palavra
pouco lida
pouco tida
porém
quando amor
calo
cálido
objeto


Karinne Santiago

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos poeticar?!