quarta-feira, 26 de setembro de 2012

22 de Setembro






Quis vomitar os beijos. Esfregar suas impressões na minha pele com sabão. Queria apagar os registros da sua presença em minha vida. Queria a máquina do tempo. Alguma coisa estúpida que me fizesse esquecer... Senti o corpo violado por palavras duras. Sua voz parecia golpes de navalha. Aos poucos a alma se esvaia descrente da crueldade. O sentimento restante parece me manter num transe ou numa espécie de sonambulismo. Talvez, seja o momento da dor que ainda parece distante do término. Ou quem sabe, seja a dúvida, uma esperança vã, de que em algum momento perceba que tudo não passou de um pesadelo.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Vamos poeticar?!