terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Lúdicos Lilases




Quando a prata da lua amanheceu lilases tons
Rastros de estrelas coloriram meu olhar
Nos cílios ficaram suspensos sonhos
Tomei-me de espanto num quase grito
Procurei entre lembranças algum resquício
Mas contive o pranto achei bonito

Pisquei os olhos para investigar o destino
E fragmentos de nossas juras escapuliram
Face abaixo até cruzarem com meus lábios
Espalharam em meu sorriso todos seus sabores
Fazendo cócegas rosas e macias
E de repente minha alma em fantasia
Foi tomada por delicada alegria

Com lábios semi-abertos suspirei saudades
E novamente me enchi de vontades
E seu cheiro inebriou lúdico meus ares
Fez-se tão real imagem na paisagem vazia
Bailando como mãos invisíveis diante de mim
Em toques envolventes, aconchegantes perfumes e alvo jasmim
Que deste breve momento me revesti de sins

Karinne Santiago

* Bem, ter amigos poetas é um presente divino. E novamente a sorte e a vida me sorriram generosos, possibilitando momentos deliciosos de companheirismo. Seguem, dois poemas baseados no Lúdicos Lilases que com carinho guardo aqui. Abraços fartos e emocionados aos poetas, Wilson Caritta e Joaquim Vale Cruz...MUITO OBRIGADA!!



Cílios suspensos


Olhos investigadores piscam


Juras escapam 


Pelo olhar 


Um quase grito


Pela boca


 O sorriso de todos os teus sabores... 




Wilson Caritta

(28/02/2012)






Quando os tons da lua em ti amanheceram

Em brilhos de prata e estrelas colorindo

Pareciam lúdicos lilases, que me embeveceram

Tal qual teus olhos, quando estás sorrindo



Foi quando teus cílios, suspenderam sonhos

E um grito de espanto tua boca soltou

Lembrando resquícios…momentos risonhos

E o pranto contido, por aí se ficou



Investigando o destino, teu piscar de olhos

Fez de nossas juras, escapulir fragmentos

E as lágrimas que magoam tal qual os abrolhos

Escorrem pela face, jorrando tormentos



Eis senão quando, ao cruzarem teus lábios

Voltaram em sorrisos esse teus sabores

Que em cócegas rosas e carinhos sábios

Encheram a alma do encanto de amores

E ao surgir da alma essa fantasia

Teus lábios abertos cheios de saudades

Logo se encheram de doce alegria

E nos beijos mais doces contaram verdades



E porque teu cheiro, denunciou desejos

Inebriando tudo quanto ali havia

O encanto voltou nos mais doces beijos

Encheu-se de luz a paisagem vazia



Aconchegantes perfumes, toques envolventes

Fizeram bailar tuas mãos sobre mim

E foi então que nos entrementes

Na doçura de um beijo, me disseste que sim…

Joaquim Vale Cruz 

(28/ 02/2012)