sábado, 28 de agosto de 2010


Não preciso ler a sorte no biscoito chinês...Não sei se seu horóscopo combina com o meu...não tenho figa, pé de coelho, trevo de quatro folhas na bolsa, nem pimentinhas ou olho grego pendurados no meu chaveiro, não dou o primeiro passo com o pé direito, não tomo banho com sal grosso, não tenho fitinhas do Senhor do Bonfim presas no retrovisor, não fui em cartomante, nem comprei revistinhas de simpatias, passo debaixo da escada, não me incomodo com sexta-feira treze, gato preto ou canto de coruja, pois tenho uma fé inabalável, incontestável, indiscutível, inquestionável na poesia...apesar dela admirar o finito do amor.


Karinne Santiago

sábado, 21 de agosto de 2010

Megalomania



Tenho um saco de risada com nó frouxo

Não tenho chapéu para carregar minhas idéias

Tenho travesseiros que acariciam lábios

Não tenho óculos escuros para o coração

Tenho caledoscópio como céu

Não tenho pernas para os seus relógios

Tenho núvens ao invés de pés

Não tenho bússulas para os sentimentos

Tenho compasso e traço as palmas das suas mãos

Não cortei o cordão das estrelas cadentes

Tenho o mundo como botão

Não tenho a ausência elegante dos sapatos

Tenho em mim tudo trocado em miúdos

Não tenho colírios contra hipocrisia

Tenho ninfas que acrescentam sonhos

Não tenho a fonte dos seus ânseios

Tenho traço fino para mentiras

Não tenho dicionário de sopa de letrinhas

Tenho uma cartela cheia de poesia

Não tenho pauta para a solidão



Karinne Santiago

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Bonjour, Amour!


Acordei com sua saudade aos meus ouvidos

Invadida pelo gosto do seu sorriso

Acreditei ser real sua lembrança

E mordi meus lábios numa esperança

Que ao abrir os olhos ao invés da cama

Seus braços me embalacem numa dança...

Karinne Santiago

domingo, 15 de agosto de 2010

Ei, palavras!!!


Onde foram?!


O silêncio não conforta


Se o coração quer gritar


Vai coração, grita ordens de partir


Mas partiu o coração


Fugiram as palavras


E és o silêncio


Inquisidor


Dor


Karinne Santiago

Em Metamorfose

Será que a gente se reinventa, independente de qualquer evento na vida? Gosto dessa idéia de futuras Karinne na velha e única Karinne...e olhe, que muitos amigos me dizem, até com uma determinada frequência, que sou aversa a coisas novas...estranho ouvir isso, mas acho que deixo transparecer assim porque fico a degustar situações. Fico remoendo, remoendo...não sou de empolgações festivas sem causas convincentes...preciso achar algo que nem é lógica nem nada...é aquele "tic" da lâmpada...Tem dias que a vida é como um grito aos meus ouvidos. Um som estridente de tudo que há em mim e do mundo que me cerca. Entretanto, eu ainda não evolui o suficiente para não revidar o grito aos ouvidos e perco tanto por isso, que nem consigo me acreditar gente. Ontem, me peguei fazendo lentamente uma lista de coisas que gosto e que há muito tempo não dava uma xeretada. Escutei músicas do Sr. Chico(nossa, me caso com este homem a cada melodia), procurei por fotos, guardei colares, reli carinhos, enfim, tentei organizar a casa...e fiz de uma maneira tão serena que quase duvidei que fosse eu. Corri no espelho e era exatamente, esta mesma cara que me serve de cartão de visita todo santo dia...nada fugia do cotidiano, apenas um pensamento solitário de que nada acabou...não posso esquecer que a vida é cheia de momentos...meus, seus, alheios ao relógio. Não sei ainda se favorável ao coração ou ao calendário, mas me percebi reinventada em possibilidades felizes e uma estranha calma...não sei se estas palavras podem confortar ou não alguém, mas elas são expressões verdadeiras de tudo em que agora posso reinventar.

sábado, 14 de agosto de 2010

COMMENT VAS-TU?

Resolvi apostar na continuidade das coisas.
Observar a vida através de um novo conceito para partidas e chegadas.
Divergir de pensamentos antigos e reconstruir.
As palavras me absorvem mesmo que nem sempre consigam me traduzir.
E elas agora são o nosso único elo.
Assim espero.
Para nossas vidas...BON VOYAGE!